O processo de transição pessoal de John Fisher

Untitled

Todos sabemos que os processos de mudança organizacional causam desconforto nas diversas pessoas que compõem essa organização, incluindo as equipas de projecto.
O que nem sempre é conhecido ou bem gerido é o processo de transição que cada um de nós atravessa, de forma sequencial, durante a mudança.

John Fisher, um conhecido psicólogo e especialista de liderança e de processos de mudança nas organizações, desenvolveu em 2003 e actualizou em 2012, um diagrama que representa os vários estágios pelos quais cada um de nós transita motivado pela mudança.

Porque é que isto é relevante para os gestores de projecto e mesmo os gestores funcionais?

Conhecendo e compreendendo os vários estágios, é obrigação da gestão ajudar os seus recursos a ultrapassar as várias fases da transição, suportando-os, dando-lhes formação, apoiando-os e motivando-os a enfrentarem os diversos desafios associados, para que saiam do processo bem sucedidos e alinhados com a nova visão da organização e confortáveis com as mudanças que foram postas em prática.

A velocidade com a qual transitamos de estado depende de cada pessoa e do seu processo mental de adaptação à mudança.

Mas então, quais são esses estágios ou fases de transição?

  • Ansiedade – Os recursos são incapazes de visualizar o futuro com precisão, existe muita incerteza, pelo que não conseguem antecipar o que é esperado deles e como se devem comportar na nova organização. A maneira como se comportam nesta fase dita a forma como irão progredir no resto da curva de transição. 
  • Felicidade – No fundo acreditam que algo irá mudar e estão aliviados por nada ser como dantes. Independentemente da percepção do passado ser positiva ou negativa, existe um sentimento de expectativa de melhoramento. É importante a organização gerir da melhor forma possivel a expectativa dos recursos, para que se mantenham reais. É uma boa altura para se informar as pessoas, envolvê-las nas decisões e garantir comprometimento. Isto irá ajudá-las no processo de transição. 
  • Medo – O simples facto dos recursos terem de começar a comportar-se de forma diferente perante as novas regras, causa um impacto na percepção que têm de si mesmos e na forma como os outros nos observam. Medo e Ameaça são as 2 emoções que mais contribuem para o factor de Resistência à Mudança
  • Ameaça – Os recursos sentem-se inseguros e sem saberem como agir/reagir. As regras antigas não se aplicam e as novas ainda não estão completamente estabelecidas. 
  • Culpa – As acções passadas são reconhecidas como inapropriadas causando a emoção de culpa à medida que os recursos vão ganhando esta consciencialização. A Vergonha começa a tomar forma. O reconhecimento desta emoção é o primeiro passo para que se transite para o próximo estágio da curva. 
  • Depressão – O futuro é incerto e os recursos não sabem como se irão encaixar no mesmo. Isto causa um sentimento de depressão e angústia. 
  • Aceitação Gradual – A mudança começa a fazer sentido. Os recursos sentem que se está a fazer o que é certo. Sentimento da Luz ao Fundo do Túnel
  • Seguir em frente – Inicio do sentimento de conforto e de que a mudança está em linha com as nossas convicções e crenças. 
  • Desilusão – Percepção de que os nossos valores e objectivos são incompativeis com os da organização. Os recursos tornam-se desmotivados, perdem o focus e gradualmente vão ficando cada vez mais insatisfeitos. Mentalmente começam a desligar-se da organização, trabalhando apenas em “serviços minimos” e esta corre o sério risco de os perder. 
  • Hostilidade – Os novos processos são ignorados ou boicotados. 
  • Negação – Os recursos continuam a agir como se a mudança não tivesse ocorrido, ignorando toda a evidência da mesma. Sindrome da Cabeça na Areia
  • Raiva – Nem sempre está presente e depende do controlo interno de cada um. Inicialmente a raiva é dirigida a quem força a mudança, mas com o passar do tempo, a raiva é dirigida para o próprio por ter permitido que a mudança se instalasse. 
  • Complacência – Sobreviveram à mudança e adaptaram-se a uma nova realidade. Os recursos regressam à Zona de Conforto.

Reconhecem alguns destes estágios nos vossos recursos? 😉

3 thoughts on “O processo de transição pessoal de John Fisher

Add yours

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Powered by WordPress.com.

EM CIMA ↑

%d bloggers like this: